Quarta-feira, 30 de Abril de 2014
Drácula, de Bram Stoker

Drácula é uma obra-prima única do terror e a mais famosa de todas as histórias de vampiros.


Poucos leitores irão esquecer a atmosfera de pesadelo do sinistro castelo do conde Drácula, na Transilvânia, as deambulações dos mortos-vivos e a tensão de gelar o sangue antes do emocionante desfecho.

Drácula narra a luta de um grupo de homens e uma mulher - Dr. Seward, Dr. Van Helsing Jonathan Harker e a sua mulher Mina - para destruírem o vampiro, cujos sinistros caixões cheios de terra são descobertos por Harker numa capela em ruínas ao lado do hospício do Dr. Seward. Cruel e nobre, maldosa e fatalmente desejável para as mulheres, Drácula possui uma sede terrível de poder e, como o Dr. Jekyll, ou Moriarty de Conan Doyle, é um dos monstros imortais da ficção.

Quando o solicitador Jonathan Harker visita a Transilvânia para ajudar o conde Drácula com a compra de uma casa em Londres, faz descobertas terríveis sobre o seu cliente e o seu castelo. Pouco depois, uma série de incidentes perturbadores desenrola-se em Inglaterra: um navio não tripulado naufraga em Whitby; marcas de perfurações estranhas aparecem no pescoço de uma jovem mulher, e um louco internado num hospício delira sobre a chegada iminente do seu «mestre». Na batalha que se segue entre o sinistro conde Drácula e um grupo de adversários determinado, Bram Stoker criou uma obra-prima do terror, aprofundando as questões da identidade e sanidade humanas, e iluminando os cantos escuros da sexualidade e do desejo vitorianos.

 

Uma verdadeira obra-prima, Drácula transcendeu gerações, linguagem e cultura para tornar-se um dos romances mais populares alguma vez escritos. É por excelência uma história de suspense e horror, que ostenta um dos personagens mais terríveis que já nasceram na literatura: o conde Drácula, um espectro trágico e noturno que se alimenta do sangue dos vivos, e cujas paixões diabólicas depredam os inocentes, os desamparados, e os belos. Mas Drácula também se destaca como uma saga alegórica de um ser eternamente amaldiçoado cujas atrocidades noturnas refletem o lado sombrio da era extremamente moralista em que foi originalmente escrito - e os desejos corruptos que continuam a atormentar a condição humana moderna.

 

 

Drácula tem origem na vida de Vlad Tepes, personagem histórico da Roménia do século XV conhecido pela sua bravura na guerra contra os invasores otomanos, mas também pela sua crueldade. A partir dessa história, mesclada com várias lendas sobre Vlad, Bram Stoker escreve um romance magistral em forma de diários e cartas que os personagens principais vão trocando entre si. Trata-se de uma obra que abriu um novo caminho nas histórias de terror e que estabeleceu a figura do aristocrata da Transilvânia como arquétipo do mal e da sedução perversa.

 

 

Abraham «Bram» Stoker (8 de novembro de 1847 - 20 de abril de 1912) foi um romancista e contista irlandês. O seu primeiro livro de ficção, Under the Sunset foi publicado em 1881. Embora mais conhecido por Drácula, Stoker escreveu dezoito livros antes da sua morte em 1912. Morreu de exaustão aos 64 anos.



publicado por 1001mundos às 08:53
link do post | adicionar aos favoritos


.mais sobre mim
.links
.Novidades 1001 Mundos







.posts recentes

. Drácula, de Bram Stoker

.arquivos

. Julho 2016

. Junho 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Outubro 2013

. Março 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

.subscrever feeds